Hanseníase: Prevenção em Pauta

Brasil registrou mais de 33 mil casos de Hanseníase em 2011. Para SBMFC número pode ser reduzido com investimentos no diagnóstico precoce

No último domingo deste mês, 27 de janeiro, foi celebrado o Dia Nacional de Combate e Prevenção da Hanseníase. Até 2011, fora registrados no Brasil 33.955 novos casos da doença, segundo dados do Saúde Brasil, divulgados em outubro do ano passado.
De acordo com o presidente da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC), Nulvio Lermen Jr., ainda existem pontos que dificultam o tratamento, especialmente no setor público, como acessibilidade e falta de capacitação dos profissionais que atuam junto às comunidades. “A ação dos gestores de saúde precisa atingir tanto médicos quanto população. Por isso a importância de programas que reúnam ações de vigilância e conscientização para favorecer o diagnóstico precoce, essencial para o sucesso do tratamento”, ressalta.
Nulvio lembra que além das dificuldades estruturais, outra dificuldade que o portador da hanseníase enfrenta é o preconceito. “A hanseníase é uma doença que não apenas expõe o paciente, mas também é referenciada como ‘coisa ruim’, ‘morte’ e ‘maldição’ em muitas regiões e este cenário contribui para uma baixa aderência ao tratamento por parte do próprio paciente”, explica.
No enfrentamento da hanseníase, o médico de família e comunidade (MFC) tem importante papel na detecção e tratamento. “O acompanhamento a longo prazo, fator fundamental do atendimento de um MFC, permite que esse especialista esteja sempre alerta e identifique antecipadamente a doença e seu estágio. E após o diagnóstico, auxilie o portador como promotor de qualidade de vida ao paciente”, esclarece.

Sobre a hanseníase

Doença transmissível por meio das gotas eliminadas no ar pela tosse, fala e espirro e também do contato direto com as lesões da pele de uma pessoa com hanseníase que não está em tratamento. A hanseníase é causada por uma bactéria (Mycobacterium leprae), e afeta principalmente a pele e os nervos, o que causa limitações de mobilidade em seus portadores. A hanseniase em si não mata, mas as complicações advindas da doença sim, estas podem ser letais.

  • A hanseníase é o mesmo que lepra
  • A hanseniase tem cura, o tratamento é feito exclusivamente pelo SUS, nas Unidades Básicas de Saúde ou em centros de referência, por cerca de 6 a 12 meses, dependendo da classificação da doença
  • Outros fatores que envolvem a transmissão da doença são: cidades com baixo índice de desenvolvimento humano, altos níveis de pobreza/miséria, ausência de vigilância sanitária, locais insalubres para se viver
  • Sem tratamento, é uma doença contagiosa. Sua transmissão se dá pelo ar, por meio das vias aéreas superiores. “Não existe a necessidade do isolamento, mas sim de tratamento e de exame dos contactantes, uma vez ao ano, durante cinco anos”, relata Cleo Borges. Segundo o médico de família, quando em tratamento, a transmissão cessa logo nas primeiras semanas

Tags:

Categorias: Sem categoria

Assinar

Subscribe to our RSS feed and social profiles to receive updates.

Nenhum comentário ainda.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: