ARTIGO: Medicação por sequenciamento genético é realidade no Brasil

Por Guido Boabaid May *

Nos dias atuais, a grande massa de médicos no mundo ainda atua com base em tentativas de “acerto e erro” na hora da prescrição de medicamentos aos seus pacientes, indicados pelos protocolos médico-hospitalares. Mas desde a descoberta do Genoma Humano, em 1953, cientistas buscam ferramentas para ajudar a diagnosticar corretamente (e individualmente) cada ser humano. No Brasil, isso já é realidade para pacientes das áreas da Cardiologia, Cérebro & Comportamento e Saúde da Mulher.
 
Entender como funcionam os genes gerou um salto histórico à Ciência. E sua evolução científica está abrindo as portas para uma infinidade de novas pesquisas e tecnologias, já transformando radicalmente a vida de milhões de pessoas nos Estados Unidos e, agora, em nosso país.
 
No mundo, mais de 50% das pessoas (um a cada dois pacientes) possuem uma variante genética que altera o modo com que as medicações são metabolizadas ou ativadas. Pacientes com variantes genéticas tem uma probabilidade oito vezes maior de apresentar uma reação adversa ou falta de eficácia para suas medicações prescritas. É aí que entra a Farmacogenética, responsável por estudar o comportamento de remédios no corpo.
 
Recentemente chegaram ao Brasil sete novos “testes farmacogenéticos”, recém chegados ao Brasil. Por meio da análise de determinados genes, essas modernas ferramentas diagnósticas estão ajudando a identificar o medicamento certo, na dose certa para  cardíacos, para quem faz acompanhamentos psiquiátricos e para a análise de estrogênio – importante às mulheres vão entrar ou estão na menopausa e ajudam a avaliar riscos de câncer de mama.
 
E como funcionam esses testes farmacogenéticos? O código DNA de cada pessoa pode influenciar na maneira como cada organismo irão responder às determinadas medicações. Por isso há diferenças genéticas que afetam seus atributos físicos, como a altura ou a cor dos olhos, por exemplo. Algumas dessas diferenças de genes também podem afetar a habilidade em responder a medicamentos, seja em relação à sua eficácia e/ou em relação a ocorrência de efeitos colaterais.
 
Com os testes farmacogenéticos podem se propor alternativas de tratamento assertivas, de modo a aumentar a eficácia da resposta aos medicamentos no menor tempo possível e a eficácia dos tratamentos no objetivo de controle/cura de doenças. É a Medicina Personalizada aportando no Brasil para vai auxiliar a classe médica a prescrever terapêuticas personalizadas e mais seguras.
 
* Dr. Guido Boabaid May – diretor médico da GnTech Tests, é formado em Medicina pela UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) e especialista em Psiquiatria pela UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul). Também é membro da Associação Catarinense de Psiquiatria, da Sociedade Brasileira de Psiquiatria e da Associação Americana de Psiquiatria – http://www.gntechtests.com.br

Categorias: Sem categoria

Assinar

Subscribe to our RSS feed and social profiles to receive updates.

Nenhum comentário ainda.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: