Sintomas e tratamentos para a ansiedade patológica

Pessoas ansiosas vivem menos, diz a sabedoria oriental. Mas será que é verdade? Para os sábios do mundo antigo, não temos uma quantidade de anos de vida e sim um número determinado de respirações. Assim, quanto mais profundo e lento o respirar, mais tempo viveremos. A respiração está ligada diretamente a todo o nosso estado físico e emocional. Quando estamos tristes, inspiramos lenta e demoradamente. Com raiva, nos sentimos cheios e bufamos (pois não aguentamos mais nada dentro de nós). Já o medo dispara nosso coração e assim nossa respiração se acelera e nos prepara para a fuga.

 Mas é a ansiedade que consome nossa energia vital.  Esta ansiedade não é aquela natural, quando esperamos por algum acontecimento específico, mas sim a patológica, que nos rouba o sono. Aquela apreensão esmagadora que nos tira o foco e a concentração, e que dá vida própria a pensamentos e sentimentos indesejáveis. Vivemos um estado de irritação crônica por estar sempre alerta e acabamos por não agir, trazendo problemas de relacionamento em todas as áreas.

 Este tipo de ansiedade é coisa séria. Seus sintomas variam bastante e existem até casos de obesidade e insônia que têm em sua raiz tal patologia. Como em toda síndrome, o diagnóstico tem que ser feito por um especialista e pelo conjunto de sintomas físicos e emocionais que devem perdurar, no mínimo, por seis meses. “Os sintomas podem incluir dificuldades para relaxar, dormir e se concentrar, cansaço excessivo, irritabilidade, tensão muscular, boca seca, enjoos, diarreia e taquicardia, entre outros problemas”, explica a psicóloga Amélia Kassis, diretora da Companhia Zen (www.ciazen.com.br), uma consultoria de qualidade de vida que promove saúde e bem-estar por meio de técnicas orientais e ocidentais.

 De acordo com Amélia, algumas técnicas têm se mostrado eficazes no tratamento da ansiedade, como a psicoterapia, que ajuda “a melhorar a percepção do individuo sobre si mesmo e o mundo, aumentando sua autoestima e desenvolvendo sua capacidade de sentir prazer”. Já o ioga, segundo ela, “também pode ajudar o paciente a reaprender a respirar, aumentando a consciência e o controle de si mesmo”. “Outras sugestões são a terapia corporal, que aumenta sua percepção corporal e redireciona sua energia vital, e a massagem, que permite trabalhar em pontos específicos do corpo para equilibrar e administrar conflitos físicos e emocionais”, explica.

Tags:

Categorias: Sem categoria

Assinar

Subscribe to our RSS feed and social profiles to receive updates.

Nenhum comentário ainda.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: