Olhar o paciente como um todo é fundamental para tratar a obesidade, diz especialista

“A obesidade é um grave problema de saúde pública e é preciso encontrar as causas do problema em cada paciente, individualmente, para poder tratá-la.” A declaração é da endocrinologista Andressa Heimbecher Soares, especialista em Endocrinologia e Metabologia, médica colaboradora do Grupo de Obesidade e Síndrome Metabólica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).

Na avaliação da especialista, olhar o paciente como um todo é fundamental para compreender as causas que o levaram a ter determinado problema. “A Endocrinologia é uma especialidade médica que usa um pensamento sistêmico, de causas e efeitos. É preciso olhar o paciente de maneira integrada – investigando seu histórico pessoal e doenças anteriores, e não apenas atendo-se à sua queixa – para fazer um diagnóstico mais correto”, afirma a médica.

Um exemplo de como os endocrinologistas podem ter um olhar diferenciado sobre o que leva um paciente a apresentar um problema é no tratamento do colesterol alto – que pode ser detectado e tratado por clínicos gerais e cardiologistas também. “Entretanto, com boa orientação, é possível postergar a inserção da medicação, ou mesmo nem lançar mão dessa ferramenta”, diz Andressa. Segundo ela, o colesterol alto pode, por exemplo, estar ligado ao mau funcionamento da tireóide, e o tratamento desta glândula pode regularizar o problema.

Pacientes com diabetes tipo II também precisam ser acompanhados por endocrinologistas, para garantir a manutenção dos níveis adequados de insulina – hormônio secretado pelo pâncreas e responsável pela redução das taxas de glicose no sangue.

A obesidade é outro problema que leva muitos pacientes aos consultórios de endocrinologistas. Mas Andressa Heimbecher Soares alerta que não existe “mágica” para emagrecer. É preciso estudar cada caso, identificando os padrões alimentares para só então corrigir os hábitos.

“Há quem ataque a geladeira à noite, quem coma poucas vezes ao dia – mas em muita quantidade –, quem passa o dia todo ‘beliscando’ – ingerindo alimentos pouco saudáveis. E tudo isso pode ter uma ligação com a química cerebral. Cada um tem um padrão, que precisa ser avaliado para que a solução de tratamento oferecida seja mais efetiva”, argumenta.

Outra causa da obesidade em homens, como lembra a endocrinologista, é a andropausa – quando, após certa idade, a produção do hormônio masculino diminui. A queda dos índices de testosterona fazem subir os níveis de gordura no organismo, diminuindo o índice de massa magra e aumentando o risco do aparecimento de osteoporose em homens. “Esse problema é tratável, mas também precisa que o paciente seja avaliado individualmente”, conclui a endocrinologista.

Tags:

Categorias: Sem categoria

Assinar

Subscribe to our RSS feed and social profiles to receive updates.

Nenhum comentário ainda.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: