Em 14 de março é celebrado o Dia Mundial do Rim – Transplante do órgão é baixo no país

shutterstock_105987101
Em 2012 foram realizados 5.385 procedimentos no país. Fila de espera está em torno de 32 mil pacientes
O Dia Mundial do Rim, celebrado em 14 de março, é mais uma oportunidade para conscientizar a população sobre a importância de cuidar e prevenir doenças do órgão, vital para o bom funcionamento do organismo. O envelhecimento da população e o aumento da obesidade, além do estresse das grandes cidades, hábitos alimentares inadequados e o descuido em relação à prevenção e tratamento da hipertensão arterial – causa mais importante da doença renal crônica (DRC) -, são alguns dos fatores que podem levar a invalidação do rim ou até mesmo a morte.
Os grandes vilões das doenças renais são a hipertensão arterial e a diabetes. Se não controladas, podem gerar o risco de contrair insuficiência renal. Em uma parte desses casos também ocorre a necessidade de diálise e hemodiálise. Mesmo sendo um dia de conscientização dos problemas renais e apelo à prevenção, a patologista Denise Maria Avancini Costa Malheiros, membro da Sociedade Brasileira de Patologia (SBP), alerta que o rim está ligado diretamente ao coração e ao cérebro: “São as doenças mais comuns que determinam a morte das pessoas, como o acidente vascular cerebral, enfarto do miocárdio e doença renal crônica, neste contexto”.
A doença renal crônica progressiva pode levar à insuficiência do órgão, fazendo com que o paciente necessite de terapias como diálise e transplante para substituírem o rim doente, segundo a patologista. No Brasil, a doença renal crônica é a causa mais comum de transplante. Em 2012, o país contou com 5.385 transplantes de rim, 8% a mais que em 2011, quando realizou 4.957. “O crescimento é significativo, mas ainda insuficiente. Estima-se que ainda temos 32 mil pacientes aguardando na fila de espera por um transplante renal”, afirma a especialista.
Entre as razões para a fila de espera ser grande estão três principais motivos: o baixo número de doadores; doadores acima de 60 anos, que não são os mais adequados, levando em conta a sobrevida menor do órgão a ser doado; e o escasso número de nefropatologistas no país também contribui de forma importante para o atraso no diagnóstico das doenças renais. Em relação aos pacientes já transplantados, a biópsia renal permite que o órgão seja avaliado de forma rápida e eventos como a rejeição do rim, isquemia, infecções e outros sejam diagnosticados e tratados prontamente. “A biópsia renal tem por objetivo fornecer um diagnóstico específico, permitindo uma intervenção terapêutica mais eficiente e buscando reverter ou interromper a progressão da doença renal. Em pacientes transplantados, as intervenções terapêuticas orientadas por biópsias renais resultam na maior sobrevida do rim transplantado”, completa Denise.
Apesar do número crescente de doadores, a aprovação para doação do órgão ainda é pequena, muitas famílias alegam a mutilação do corpo e o retardo para o enterro, de acordo com a patologista. Um dado ainda pouco divulgado é que o governo abate o valor do enterro de quem doa órgão. Além disso, o transplante se torna mais rápido quando há um doador da família com sangue compatível ao receptor. Ainda vale lembrar que qualquer pessoa saudável pode torna-se doadora. A vida é estável apenas com um só rim.
Para escapar dos problemas relacionados ao rim, a população deve controlar a hipertensão arterial, diabetes, o sobrepeso e ter uma vida menos sedentária, além de procurar diminuir o nível de stress.
DADOS
Transplante de rim no Brasil:
2012 – 5.385
2011 – 4.957
2010 – 4.630
Prevalência de doença renal crônica:
Brasil: 50/100.000 habitantes
Estados Unidos: 110/100.000 habitantes
Japão: 205/100.000 habitantes
*Os dados sugerem que a doença é menos diagnosticada no Brasil
**Dados da Sociedade Brasileira de Nefrologia

Tags:

Categorias: Sem categoria

Assinar

Subscribe to our RSS feed and social profiles to receive updates.

Nenhum comentário ainda.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: