Como fazer seu filho comer bem.

shutterstock_66062566

Estimular o gosto das crianças por alimentos saudáveis não deve ser tarefa das mais fáceis – ainda não posso palpitar com propriedade, mas pelo relato de amigas e familiares, trata-se de um desafio diário. Acontece que isso seria muito mais simples caso os próprios pais dessem o exemplo à mesa. Essa é uma das conclusões do trabalho de mestrado da nutricionista Luciana Lorenzato, do Laboratório de Nutrição e Comportamento do Departamento de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP).

Esse estudo contou com a participação de 150 pais e de seus respectivos filhos, com idades entre 2 e 11 anos. Para realizá-lo, Luciana fez uma entrevista individual com as mães e aplicou o Questionário de Alimentação da Criança, conhecido como QAC. Depois, avaliou o peso e a estatura tanto das mães como dos filhos. “15% das crianças e 27% das mães apresentaram excesso de peso”, revela a pesquisadora. Ela comenta que achou interessante o fato de haver uma correlação positiva entre o peso dos filhos e o dos pais, pois evidencia que o estado nutricional dos pequenos pode estar associado ao de seus progenitores. “O peso dos filhos aumentava conforme subia o peso dos pais”, resume.

Segundo ela, diversos artigos demonstram que os pais desempenham um papel central no desenvolvimento do comportamento alimentar infantil. “Eles proporcionam o contexto para as primeiras experiências alimentares dos filhos, na medida em que exercem controle sobre o tipo de alimentos oferecidos, o tamanho das porções, o horário das refeições, o contexto afetivo das ocasiões alimentares, etc.”, explica. Contudo, é possível que as ações dos pais resultem – sem intenção, é claro – em efeitos desfavoráveis sobre os hábitos alimentares da criançada. Aí, o risco de obesidade cresce.

Veja como isso se dá na prática: quando um determinado alimento é ofertado à criança comorecompensa por algo positivo, como terminar a lição da escola, a preferência por esse item é reforçada. “E geralmente eles tendem a ser palatáveis e pouco saudáveis, com alto teor de gordura, açúcar e sal”, exemplifica a nutricionista. Ou seja, presentear o pequeno com uma barra de chocolate só porque ele topou tomar banho pode ter mais impacto na saúde do que se imagina.

E sabe aquela tática de só oferecer a guloseima caso o pequeno termine o prato de salada? Ela também pode abalar seu bem-estar. Isso porque a criança sempre associará o consumo de verduras e legumes a algo penoso – não à toa ela ganha um presente depois do “sacrifício” de comê-los. “O trabalho atesta, então, que as atitudes, crenças e práticas dos pais durante a alimentação dos filhos pode favorecer o aparecimento da obesidade infantil”, resume Luciana.  Para não ficar só nas estratégias inadequadas, a nutricionista aponta quais as melhores atitudes que os pais precisam tomar para incentivar que os filhos se alimentem de forma saudável. Confira:

1. É importante manter os horários e o fracionamento das refeições (café da manhã, almoço e jantar, além de dois lanches intermediários e uma ceia), sem esquecer-se da ingestão de água ao longo do dia. Assim, o metabolismo e a digestão ocorrem de forma adequada. Sem contar que esse costume reduz a probabilidade de a criança procurar guloseimas e exagerar nas refeições.

2. É difícil retirar os doces, refrigerantes e guloseimas das crianças, mas é importantecontrolar os excessos. Os pais nunca devem trocar os alimentos ricos em nutrientes por esses alimentos muito menos utilizá-los como recompensa por um bom comportamento.

3. Outra dica é fazer a criança participar do planejamento, da compra e do preparo das refeições, o que pode até se tornar uma brincadeira saudável.

4. O mais importante é que os pais devem servir de exemplo, consumindo alimentos saudáveis junto com as crianças e evitando fast-food. As refeições devem ser realizadas à mesa com a família, lembrando que o público infantil aprende por meio do exemplo.

5. A recusa que as crianças apresentam em relação a muitos alimentos não deve ser considerada uma aversão permanente, pois normalmente o aumento da aceitação ocorre somente após 12 a 15 apresentações. Logo, os pais não devem desistir nas primeiras tentativas. Até porque um mesmo alimento pode ser oferecido de formas diferentes.

6. Colocar na rotina da molecada atividades ao ar livre também é fundamental. Isso evita que elas passem muito tempo em frente da televisão, do computador ou do videogame.

Por  / Comente

Tags:, , , , , , , , ,

Categorias: Dúvidas Frequentes, Nutrição, Psicologia, Temas para Discussão

Assinar

Subscribe to our RSS feed and social profiles to receive updates.

Nenhum comentário ainda.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: